Esporte/ Lifestyle

Como deixei de ser sedentária – correndo pra vida não me deixar pra trás.

“Em tudo que você fizer, coloque um pouco da sua alma”.
Eu, particularmente, acho que além de alma a gente tem que colocar pra jogo muita verdade, alguma fraqueza, compartilhar dúvidas e dividir os medos. O post de hoje é justamente sobre isso: minhas aflições, minhas fraquezas e até minhas falhas.

Apesar de a temática aqui ser mais voltada para a alimentação, hoje a atividade física faz parte da minha vida de tal forma que não me imagino sem ela. Espero que o post de hoje consiga mudar um pouquinho dentro de você, assim como outras tantas pessoas me inspiraram a dar a guinada que faltava na minha vida.

Sempre achei que eu era uma pessoa matutina, até ter que começar a acordar às 5 da manhã por falta de opção (morava longe + transporte público/RJ). Se tem uma coisa que me irrita é o TER QUE. Coisas da vida, a gente se adapta, mas o TER QUE acordar às 5 acabou com a minha simpatia por caçar o sol nascendo, passei a me contentar com ele já aparecido.
O cansaço que vinha do madrugar pra estudar/trabalhar foi se juntando a uma alimentação péssima ao longo de anos, aliado ao mau humor que vinha (adivinhem) também de uma alimentação pobre em nutrientes. Junte a isso baixa auto estima por conta do “pânceps” pulando, dores – má postura, inflamações nas juntas, etc e tal – uma pessoa que ODEIA engarrafamento, tem aflição de ficar parada em um mar de carro e você tem uma Manu inútil, estressada, agoniada e incapaz de lidar com situações básicas em um dia normal no Rio de Janeiro.
É isso: estresse + alimentação ruim + cansaço = nervos de barbante, beira do abismo, quase tendo uma síncope. Estava muito, muito ruim. Melhorou recentemente, quando comecei a poder acordar um pouco mais tarde (como o sono faz diferença), mas o resto todo continuava igual.
Pausa no tempo: a moda de instagram fitness aconteceu, e tome #projetodaqui e #projetodali.
Gente, eu via fotos do povo acordando cedinho pra ir correr, malhar, o raio que fosse e pensava “MAS QUE PORRA É ESSAAAA???”, tu se enroscando no edredom pra não sair da cama às 6, dando aquela fuxicada no instagram às 6:05… 6:10… e se depara com aquele monte de foto de nascer do sol e lá embaixo “done! check! feito!”.
É pra matar qualquer um do coração. Confesso que no início, ao invés de me motivar, eu olhava aquilo e tinha ímpetos de dar unfollow, pensava: “como assim essas negas têm a ousadia de esfregar na nossa cara essa saúde, essa disposição, esse… tudo, sei lá?”. No início, em vez de me motivar, me dava gastura. E sei que tem muita gente que se sente assim, por motivos de: a gente SABE quando o post é motivacional e quando é “autopromocional”.
A verdade é que segue quem quer. E eu, que me sentia mal naquele momento preguiça eterna debaixo do edredom, não deixava de seguir, e continuava naquele vai não vai, chove não molha, e ficava puta com o nascer do sol (como se ele se importasse) e não queria ver que no fundo ficava puta é comigo mesma, que não corria atrás do prejuízo, pois estava A-C-O-M-O-D-A-D-A.
Sim senhoras, estava acomodada, dando a desculpa do “ah, depois que passar em um concurso vejo isso”, “ah, agora não é o momento”, “ah, isso vai me tirar do foco”.
Eu simplesmente não me tocava que minhas dores nas costas me travavam o dia inteiro, e me tiravam mais o foco do que qualquer outra desculpa para não me mexer que eu fosse capaz de dar. Meu sobrepeso me abaixava a auto estima. Meus picos de açúcar me faziam tombar em cima de qualquer livro depois do almoço. Minhas pernas inchadas, doloridas, minha retenção de líquido… poderia ser o quadro de uma senhorinha, mas era uma garota de 20 e poucos anos.
E aí que passei a entender o motivo que leva uma criatura a acordar às 5, ou 4 da manhã pra poder se mexer. É vontade de se ver melhor, é vontade de fazer o dia render, a energia fluir, a vida ir pra frente. É ter a certeza que depois de uma corridinha de meia hora que seja, tua ziquizira vai toda embora com uma boa ducha gelada, que – DIZEM – ainda contribui pra deixar tudo durinho.
Entendi e passei a fazer isso tudo. E não me arrependo de NADA. Só me trouxe benefícios, juro. Uns hematomas/calos são melhores do que retenção de líquido, confia em mim.
Comecei com o que outro dia me disseram que era “roupa de senhora pra fazer alongamento”, e hoje já até me aventuro em uma paquitagem ou outra à la Paula, mas sempre tendo em mente que muito embora seja muito divertido ter coisas bonitas e se sentir arrumadinha, não é roupinha bonitinha que faz um atleta, é força de vontade, e isso você tem correndo com o tênis de 999 ou fazendo flexão descalça…
E sobre alimentação, queria dizer também que apesar de toda a luta e resultados legais, eu não sou nenhuma santinha não. Tenho meus momentos de gula e ansiedade (essa, pra mim, é a mais difícil de controlar). Já andei por aí dando uns amassos em uma certa Torta de Pistache com morangos do Talho Capixaba (quem conhece, sabe). Também traí a confiança do meu gelato funcional com uma Torta de Brigadeiro do Café Hum (achei muito doce, mas na ocasião faltei lamber o prato). As 2 ocasiões me ensinaram que ansiedade + achar que hoje “póoodji” são um perigo mesmo para a mais controlada das criaturas.
Açúcar é um veneno? Sim. Mas me permiti uma fatia dessas, porque eu sou uma mulher que tem uma TPM dos infernos e não tem alfarroba que me controle umas horas, sabem como é. E veneno/remédio, a diferença está na dose. Às vezes não sinto falta, às vezes sinto vontade: mas quando peço, o pedaço é só meu. inteirinho. Ainda vai chegar o dia em que não vou sentir falta de doce, tô rezando pra papai do céu me ajudar nessa função.
No dia seguinte, e em todos os outros? A gente faz isso aqui, ó:
correndo às 5 da manhã.
(na maior felicidade, tá?)

Você também irá gostar de ler:

4 Comentários

  • Reply
    Laura Pires
    20/05/2014 at 12:18 am

    Post muito inspirador! Parabéns por ter conquistado um novo estilo de vida! Sempre tive vontade de correr, mas nunca consegui! Como foi o seu processo no início a prática de corrida!

    • Reply
      Manu
      21/05/2014 at 12:35 pm

      Laura,
      Obrigada!
      Pode deixar que vou fazer um post sobre meu “processo” e o que eu tenho usado para me ajudar!
      Bjs!

  • Reply
    Anonymous
    20/05/2014 at 1:15 pm

    Adorei esse post¡ EU antes praticava mt corrida, viciada, amava …
    NA faculdade praticamente parei. Hj tenho tempo de sobra p voltar c tudo e seu post caiu perfeito p mim que ha tempos luto com a preguica
    Obrigada
    Marianamf

    • Reply
      Manu
      21/05/2014 at 12:36 pm

      Mariana,
      Volte, querida! A sensação é tão boa!
      Bjs!

    Deixe um comentário