Gastronomia/ Reflexões

Glúten, Lactose, Dietas e outras neuras.


Desde que dei início às mudanças na minha relação com a comida, uma pergunta recorrente na minha vida tem sido a seguinte: “Ah, você também está fazendo a dieta do glúten e da lactose? Dizem que é ótima”.

Não, gente. Não faço a “dieta do glúten e da lactose”…

Procurei uma nutricionista, fiz inúmeros exames de sangue, avaliei taxas e apurei intolerâncias alimentares para poder entender o que me fazia mal, bem, porque eu apresentava alguns sintomas ao ingerir determinados alimentos e a partir daí elaborar um cardápio personalizado para o meu corpo.

Isso, meus amigos, se chama querer entender o seu corpo. 

Aliás, desde quando simplesmente cortar glúten e lactose passou a ser enquadrado como dieta?

Em primeiro lugar: não arranje sarna pra se coçar.

Se você não exagera, não tem desconforto físico ou dificuldade na absorção de nutrientes causada pela ingestão de glúten ou lactose, ao menos em uma primeira análise, não há porque eliminar. O cardápio de quem tem essa restrição tem que ser planejado e bem organizado.

aprender a se organizar pra comer direito é uma coisa que pode ser bem chata de se fazer (no início) e sim, dá trabalho (não vou mentir). Você gosta de ter trabalho à toa? Pois é.

Mas tudo bem. Ainda assim, você está convencido(a) de que isso vai te fazer emagrecer, e que retirar glúten/lactose da tua alimentação vai dar zero trabalho, “porque as lojinhas de “produtos naturais” estão repletas de novidades ZERO GLÚTEN e ZERO LACTOSE”.

Isso me leva ao segundo ponto: a indústria.

Nossa velha conhecida está sempre na cola das novas modinhas nutricionais, pronta para inventar “delícias” zero glúten, zero carbo, zero lactose, mas repletas de açúcar, corantes, maltodextrina, emulsificantes, acidulantes, xaropes açucarados, conservantes e etcetera.

E não falo aqui apenas da indústria de alimentos, mas da indústria de terrorismo nutricional que tomou de assalto a nossa vida: se repente, se você não tiver alguém pra te dizer o que comer, em que hora comer, e o quanto comer, você nunca terá o corpo de seus sonhos – e o pior: está condenado a ficar obeeeeeeeso por toda a eternidade.

Por favor, não seja ingênuo. É o seu corpo, a sua vida, a sua saúde de agora e de quando você tiver 80 anos.

Quando foi que o simples ato de retirar glúten/lactose de um pão transformou ele na oitava maravilha nutricional do mundo?

Vejo desavisados se entupindo de alimentos ULTRAPROCESSADOS (mas zero glúten e zero lactose) achando que estão arrasando, comendo super saudável. Vejo receitinhas de nutrichef, fitchef, fit isso, fit aquilo – feitas sem nenhuma técnica e que claramente vão ficar péssimas (MESMO) anunciadas como se fossem a única coisa que você pode comer que não vai te fazer explodir.

Ô gente. Faz isso não.

LEIAM. OS. RÓTULOS.

Ainda no tópico dietas da moda: tive notícias de uma dieta que proíbe frutas e legumes mas libera o queijo, ovo e bacon. AI DE QUEM COMER ESPINAFRES, POIS A DIETA NÃO FUNCIONARÁ.

Não sei mais o que dizer. Aliás, sei sim: PAREM.

Nós somos mais inteligentes do que isso.

Não podemos nos reduzir a meras CALORIAS ou MACRONUTRIENTES (que é a tradicional distinção entre proteínas, gorduras e carboidratos). Nosso corpo é único e extremamente complexo.

Frutas, legumes e verduras são organismos vivos, lotados de micronutrientes e propriedades quase mágicas que podem, SIM, fazer a gente se sentir melhor, aumentar nossa imunidade e até nos curar de diversas enfermidades.

Enquanto não entendermos que nosso corpo merece ser mais bem tratado do que apenas seguir a última dieta da moda, nossa mente vai continuar presa dentro da ditadura da magreza e da anemia de nutrientes, informações e bom senso.

Dá licença? Eu não quero isso pra mim, e tenho certeza que vocês também não. Tenho os leitores mais bacanas do mundo, que me incentivam, alertam, desafiam e ajudam a tocar esse barco. ♥

Esse vai ser o primeiro de uma série de posts em que também vou falar sobre Glúten, Lactose, Intolerâncias, Alergias, reações, sintomas e um ou outro relato mais pessoal.

Como vocês sabem, não sou da área médica, mas uma apaixonada por esse tema: tudo o que for escrito ou compartilhado aqui é resultado de estudo em fontes confiáveis (nada de Dr. Google, pra tratar da nossa saúde vamos ficar com livros e artigos científicos), e sempre vou colocar uma leitura recomendada ao final dos posts.

Quero muito saber a opinião de vocês sobre esses assuntos!

zero gluten zero lactose cozinho logo existo

Você também irá gostar de ler:

23 Comentários

  • Reply
    Juliana Iannone
    24/02/2015 at 7:32 pm

    Oi Manu, tem pouco tempo que acompanho seu blog e estou adorando!
    Sou formada em Nutrição, mas não atuo na área, porém sou muito preocupada e interessada em tudo que gira em torno de boa alimentação e saúde. Adorei seu post de hoje, é súper importante que as pessoas entendam que reeducar a alimentação de acordo com suas necessidades é mais importante que incluir ou excluir determinado alimento a fim de alcançar o “corpo perfeito”.
    Além disso, é importante ressaltar que as indústrias também se aproveitam dessas “modinhas” para inflacionar seus produtos, e quem sofre com isso são aquelas pessoas que realmente precisam de alimentos específico como os celíacos, intolerantes e alérgicos à lactose, etc que acabam pagando super caro por esses alimentos diferenciados.
    Enfim, temos que ser conscientes não só em relação ao que consumimos e ingerimos, mas também em relação aos que podem acabar se prejudicando por causa dessas dietas malucas que vivem aparacendo por aí! Falei demais né?! Rsrs. Parabéns pelo blog

    • Reply
      Manu Alves
      24/02/2015 at 11:18 pm

      Juliana,
      Antes de mais nada: seja muito bem vinda e comente outras vezes, amo a opinião das nutris!
      Essa questão do “corpo perfeito” reeeeeeeende pano pra manga. A gente quer, sim, ter um corpo bacana, poder usar as roupas que a gente quiser, mas acho que se faz necessário, PRA ONTEM, que a gente entenda que corpo perfeito é aquele que consegue vencer um resfriado e reagir às células do câncer, por exemplo.
      Essa questão dos produtos inflacionados por conta de modinhas é, realmente, MUITO triste.
      Tento trazer opções aqui no blog, pois sei que independente da restrição alimentar, tem muito leitor que realmente precisa. Outro dia recebi um comentário de uma leitora pedindo receitas de lanches para um filho com diversas intolerâncias alimentares, por exemplo.
      Fico pensando sobre o assunto, e esse é um tema que mexe muito comigo: um lanche saudável em uma loja tradicional está custando CARÍSSIMO, e a situação do nosso país está tão complicada que alimentação boa passa a ser considerada um “luxo”. Aí entramos naquele círculo vicioso da má alimentação, doenças e custo com remédios e hospitais. Triste, mas estamos aí pra quem precisar e da forma que pudermos ajudar, né?
      Beijos!

  • Reply
    Isabela
    24/02/2015 at 7:44 pm

    Muito sensato e oportuno esse post. Hoje as pessoas se deixam levar de um jeito pelas ‘dicas amigas’, pelas aparências de um estilo de vida supostamente invejável, pelo desejo de ter um corpo perfeito… que assumem uma ingenuidade explorada magistralmente pela indústria. Assumo, com certa vergonha, que faço parte do grande grupo que ainda não foi consultar um nutricionista (questões financeiras, principalmente. Vou parar de bobeira, prometo!), mas também do grupo menor que consegue ler sobre o assunto, filtrar o que serve e adotar aquilo que está ao alcance e que pode fazer bem.
    Para mim a parte mais interessante de acompanhar receitas e novidades dessas áreas é conhecer novos ingredientes e novos sabores. Adoro cozinhar com farinha de coco mas não abro mão de um pão branco caseiro de mãe de vez em quando. Me permito testar suas receitas sem glúten/lactose mesmo não tendo intolerância diagnosticada.
    Quem não tem nenhuma restrição alimentar pode muito bem se nutrir de forma saudável e equilibrada sem neuras, e sem dar uma de trouxa e perder tempo e dinheiro.
    Li uma vez no Santa Dieta (blog pé no chão preferido, junto com o seu) que se a gente ler o rótulo de certos alimentos industrializados não vai entender metade das palavras, e se a gente não entende, o corpo também não sabe o que é! Comida de verdade tá aí, em uma variedade empolgante, pra alimentar bem corpo e alma.

    Beijos!

    • Reply
      Manu Alves
      24/02/2015 at 11:29 pm

      Isa,
      Essa questão das dicas amigas e do “lifestyle invejável” é algo que me deixa com a pulga atrás da orelha, sabe? Olho para um perfil que se diz “fitness” mas indica produto “seca barriga”. Daí me questiono: o que é fitness? É algo ligado à saúde, efetivamente, ou é apenas culto desmedido à barriga tanquinho e o interior, imunidade, índices que se danem?
      Prefiro secar minha barriga com uma toalha do que com um produto caro: esse dinheiro a indústria não leva de mim, e espero que dos meus leitores também não.
      Sobre preferências alimentares, estamos todas no mesmo barco: AMO baguete crocante e batatas fritas, mas sei que não dão pro meu corpo os nutrientes que ele precisa. Não significa que eu não coma, mas sim que eu NÃO como isso dia sim dia não, guardo para ocasiões onde eu reeealmente queira muito. É bom senso, e isso a gente tem.
      Por favor, continue testando as receitas sem glúten ou lactose: a ausência de um determinado ingrediente não precisa ser uma regra nas nossas vidas, pode ser um acaso. Amo pasta de grão de bico, tapioca, torta de banana, bolo de banana com quinoa… são comidas sem glúten ou lactose não por imposição, mas porque são gostosas, funcionam e fazem BEM! <3
      Também concordo com essa regra que você citou, li no livro do Michael Pollan (Regras da Comida) algo parecido: se você não sabe o que significa aquele ingrediente, não coloque pra dentro...
      Beijos!

      • Reply
        Isabela
        25/02/2015 at 11:32 am

        Só para complementar: acabei de voltar da feira e numa barraquinha onde comprei polvilho (alô pão de chia) e tapioca, tinha uma moça apontando pra tudo que é farelo e farinha e perguntando: aquilo tem glúten? E aquilo? Ou seja. Se fosse intolerância, alergia ou algo assim, o profissional que diagnosticou supostamente teria orientado e passado uma dieta, lista, coisa do gênero né? Mas dava pra ver que era onda. Tanto que quando ela me viu mexendo nos óleos, quase teve um treco quando viu manteiga ghee e óleo de côco (pagou uma minifortuna num micropotinho, entregando pro carinha e arrematando com um: “diz que é bom né”).

        • Reply
          Manu Alves
          25/02/2015 at 11:37 am

          Tô dizendo, Isa!!!
          Não dá pra colocar a “indústria” toda no mesmo saco, mas que 90% das grandes empresas lucra rios de dinheiro com a ignorância das pessoas, AH ganha. E dá pra ver que tem gente que QUER ser conduzido, QUER ser enganado, não se preocupa em buscar informação e simplesmente vai na onda.
          Difícil.
          Bjs.

  • Reply
    Paula
    24/02/2015 at 9:56 pm

    De uns anos pra cá venho mudando minha alimentação, tirei o arroz branco já tem alguns anos, não uso tempero pronto, não tem miojo nem refrigerante em casa, mas eu ainda amo bolacha recheada! rs
    Sempre leio muito, pesquiso muito, e vou mudando minha alimentação para não comer tantos industrializados e etc.
    Comecei a perceber no meu corpo que quando diminui a quantidade de massa que consumo (pão, bolo e etc), percebi que a minha barriga deu uma “desinchada” e também percebi depois de uma semana comendo muito queijo (comprei uma peça grande) e ai comi queijo com tudo, percebi que meu intestino prendeu de uma forma que nunca aconteceu antes, mesmo comendo mtos legumes e frutas e bebendo muita água naquele período.
    isso foi o que percebi, tenho evitado de leve esses alimentos, mas não deixo de consumir, preciso agendar com uma nutricionista para ela me ajudar um pouco, já que estou beirando os 30 e estou sentindo meu metabolismo muito diferente.
    Acho que a melhor coisa é nos conhecermos e termos um profissional para nos ajudarmos, o que serve para mim pode não servir para vc e vice e versa!
    Acho que nunca comentei aqui, mas te acompanho desde o início, gosto muito do seu conteúdo e da sua posição.
    Beijos

    • Reply
      Manu Alves
      24/02/2015 at 11:37 pm

      Paula,
      Uma das melhores coisas que podemos fazer pelo nosso corpo é o que você fez: OBSERVAR as reações dele. O acompanhamento nutricional é, sim, importantíssimo, mas nem sempre as pessoas podem pagar um nutricionista ou se sentem confortáveis com a dieta proposta pelo profissional.
      Muito obrigada pelo comentário, apareça mais vezes!!!
      Beijos

  • Reply
    Camila
    24/02/2015 at 11:43 pm

    Você disse tudo, Manu. Não adianta nada fazer um regime na base do bacon e salsicha, emagrecer mas acabar com a saúde.
    Quando Serena nasceu, tive que cortar tudo que contivesse leite ou traços de leite. Cara! Como é complicado ter restrições alimentares de verdade. Lembro de ficar revoltada quando via alguem cortando leite sem necessidade. Rsrsrs.
    Por isso, uma dieta sem restrições foi o que pedi para a minha nutricionista, afinal, se não tenho alergia, não há razoes para me privar do carboidrato, lactose, glúten.
    Beijos

    • Reply
      Manu Alves
      25/02/2015 at 12:08 am

      Camila,
      Exatamente. Mas tenho fé na conscientização das pessoas (eu mesma mudei tanto, e há tão pouco tempo) e na busca não pelo “corpo perfeito”, mas na saúde de verdade.
      Mudar a alimentação e ter que lidar com restrições NÃO é fácil, eu era super acostumada a tomar 2 iogurtes por dia, comer queijo no café, requeijão e creme de leite SEM PARAR.
      No início, o mau humor imperou, rs… mas com força de vontade, a gente se acostuma a tudo nessa vida.
      Beijos pra você e pra pitica.
      <3

  • Reply
    Natália
    25/02/2015 at 8:11 am

    Felizmente não tenho intolerância a lactose. Tomo meus leites e iogurtes. Felizmente não tenho doença celíaca. Como minhas bolachinhas e tomo minhas cervejinhas. Sou um ser humano que respira e se mexe e por isso preciso de combustível. Como batata, arroz e pão. Óbvio que não vou comer um prato de macarrão as 11 da noite nem tomar 1L de leite por dia. Isso é exagero. Mas é exagero também simplesmente se privar de substâncias que não te fazem mal pelo simples fato de que tá todo mundo fazendo a mesma coisa. Será que é realmente mais fácil cortar algo da dieta do que incluir um inofensivo iogurte ou uma batata cozida? Eu, que morro de preguiça de dietas da moda e já emagreci com o bom e velho combo comer bem+gastar mais calorias, acho que não.

    É engraçado/assustador todo esse mercado de produtos light no Brasil. Eu moro fora há alguns anos, num país onde a obesidade não é um problema como no Brasil. Brinco as vezes dizendo que eu sou a pessoa mais gorda da minha cidade, hahaha, porque raramente se vê um gordo na rua. É verdade que rola uma genética boa por aqui, mas em geral as pessoas se alimentam bem e tem um estilo de vida muuuuuuito mais saudável que no Brasil. Daí você vai num supermercado e não tem nem 1/10 da oferta de produtos de dieta como no Brasil. Ou seja, conclui-se que é sim possível emagrecer e ser magro comendo coisas “normais”, só tem que se aplicar um pouco mais, procurar umas receitas, arregaçar as mangas e ir pra cozinha 🙂

    • Reply
      Manu Alves
      25/02/2015 at 8:15 am

      Natália,
      Você tocou num ponto muito interessante. O Michael Pollan (mais uma vez, ele! <3) em um livro chamado "O dilema do onívoro", questiona o fato de que a obesidade se tornou um problema crônico JUSTAMENTE em um país que tem uma população obcecada por dietas, como é o caso dos Estados Unidos. Não deve ser à toa, né?
      E sim, acredito que pra gente conseguir qualquer coisa na vida tem que arregaçar as mangas, aprender a dizer não e fazer escolhas inteligentes (nem tô falando apenas de emagrecer, rs)!!!
      Beijos!

  • Reply
    Priscilla Guarini
    25/02/2015 at 12:49 pm

    Manu, amei esse post! Atualmente as pessoas estão tão preocupadas com a estética que se esquecem do que realmente faz bem à saúde. Seguem à risca tudo o que esses perfis “fitness” dizem como se fosse a verdade suprema e não adequam a sua realidade. É realmente lamentável!!!
    Mas além de elogiar a sua postura, também gostaria de saber quem é a sua nutri. Estou em busca de uma que faça essa nutrição funcional, mas não me adequei a nenhuma ainda. Beijos!!!

    • Reply
      Manu Alves
      02/03/2015 at 3:15 pm

      Pri,
      Obrigada pelo comentário bacana!
      É lamentável mesmo, mas tenho fé que as pessoas vão mudar, sabe?
      Vou te responder pelo e-mail. Bjs!

  • Reply
    Bella
    26/02/2015 at 3:59 pm

    Nossa, Manu, simplesmente amei! Eu ainda estou na fase de conhecer meu corpo, saber o que faz bem ou mal. Não estou fazendo isso por conta de emagrecimento e etc, mas por saúde e por não concordar com os nutricionistas que já me consultei até hoje (todos indicavam muita comida “pronta” e se abismavam quando eu falava que cozinhava todo dia).
    Ainda quero encontrar um nutricionista que tenha a mesma filosofia que eu, da comida de verdade. Enquanto isso, sigo tentando fazer meu melhor.
    Tenho vontade de fazer esses testes pra saber, porque já reparei que algumas coisas me incham mais que outras, mas não sei se é verdade ou paranóia minha.
    Ah, dia desses li no instagram uma pessoa falando: “não é porque não tem glúten/lactose/etc que pode sair comendo como se fosse salada”. Claro que não pode! O corpo precisa de nutrientes diversos que não vão vir todos de um lindo bolo feito com farinha de arroz e leite vegetal.

    • Reply
      Manu Alves
      02/03/2015 at 3:17 pm

      Isa,
      o teste é maravilhoso e a gente sente, sim, os efeitos no corpo (e rápido) quando retira do prato tudo aquilo que causa reações bizarras no nosso corpo. Também não me adaptei às nutricionistas que me mandavam comer Nesfit, Polenguinho e peito de peru como parte de uma dieta REGULAR, e não como uma exceção para momentos em que não desse para eu fazer minha própria comida.
      Um dia você vai encontrar uma nutri linda, e siga com os testes, nosso corpo é o melhor “termômetro”.
      Beijos!!

  • Reply
    Ana Cristina
    27/02/2015 at 8:00 pm

    Estou adorando o post e os comentários! Eu comecei uma dieta recomendada por uma amiga que se consultou com a nutricionista nos EUA, e que indicou a ela o seu livro publicado aqui no Brasil. Li o livro, mostrei a dieta ao endócrino, e ele não fez restrições. Eu queria testar se funcionava, pois a nutricionista trazia todo um conceito novo(ao menos para mim) sobre o funcionamento do metabolismo, e o meu estava arrastado. Mas, o principal não foi emagrecer, foi ter percebido que sumiram uma série de sintomas que tinha há anos, como fadiga, dores nas articulações, enxaqueca. Achei que era devido à quase total eliminação do gluten pela dieta. Então li muito a respeito, conversei com amiga celíaca, e, O MAIS IMPORTANTE, fui ao médico para fazer os exames adequados. Ao que parece tenho intolerância ao gluten, mas o diagnóstico é clínico, pois apesar de os exames não acusarem nada, a reintrodução do gluten trouxe os sintomas todos de novo. Esta dieta foi um acaso que está mudando a minha vida para melhor, mas nunca deixo de consultar o médico. O próximo passo será marcar a nutricionista! Por isso tudo eu recomendo: observem seu corpo, conversem com seu médico (muitos nem me davam atenção, mas eu insistia, pois continuava com meus sintomas embora os exames estivessem ok). Ando cozinhando um pouco mais (quando tenho tempo) e descobrindo novos sabores. Uma maravilha!!!
    Ah…só mais um detalhe… as farinhas usadas em substituição à farinha de trigo são geralmente mais calóricas, não dá para achar que é light só porque não contém gluten…bom mesmo é a velha e boa comida de verdade para o dia-a-dia!!!

    • Reply
      Manu Alves
      02/03/2015 at 3:18 pm

      Exatamente, Ana!
      Vou escrever um pouco mais sobre o assunto, depois dá uma passadinha aqui pra gente trocar informações nos comentários.
      Beijos e bem vinda!!!

      • Reply
        Ana Cristina
        03/03/2015 at 9:55 am

        Obrigada. Manu! Estou sempre passsando por aqui 🙂

  • Reply
    O melhor da semana – edição Blog lado B | Amanhã, eu te conto...
    27/03/2015 at 5:03 pm

    […] bacanas do Estúdio Labor. A Manu do blog Cozinho, logo existo fez post pra pensar sobre regime: Glúten, Lactose, Dietas e outras neuras. A Iana, do É Tendência, fala sempre sobre moda e estilo no […]

  • Reply
    Glúten, Intolerância, Sensibilidade e Doença Celíaca. | Cozinho, logo Existo
    15/05/2015 at 9:44 am

    […] começamos a falar sobre esse assunto aqui, e como prometido, achei legal começar com um ingrediente tão controvertido, e que de alguns anos […]

  • Reply
    Janaína
    14/09/2015 at 4:27 pm

    Nossa, fiquei muuuito feliz quando li esse post! Procuro sempre me manter informada sobre o assunto já que sou nutricionista e vejo os absurdos dessa área. Muito feliz em ver que você pensa da mesma maneira e escreve isso de um jeito tão bem e informativo. Parabéns!!! :*

  • Reply
    liliana vidal
    03/08/2016 at 7:32 am

    Adorei o teu post Manu. Não posso estar mais de acordo com tudo aquilo que dizes.
    Aqui em Portugal o problema das modas é o mesmo. Está tudo louco 🙂

  • Deixe um comentário