Lifestyle/ Vida com propósito

Torna-te quem tu és.

manuuu-1-de-1
… e aos 29, com o retorno de Saturno, decidi começar a viver.

Não poderia ter escolhido frase melhor para escrever sobre isso.

Com 29 anos, comecei a escrever o blog, e fiz dele uma espécie de diário. Nem passava pela minha cabeça trabalhar com Gastronomia, mas a maioria de meus momentos profissionais acabou ficando registrada por aqui.

O que não entrou nos posts, nas fotos e nas linhas foi o caminho e a dificuldade que passei para poder começar a botar para fora toda sorte de sentimento – seja sob a forma de prato, foto ou texto.

Hoje vou fazer diferente. Vai ter textão.

Nos últimos meses, recebi alguns e-mails me pedindo dicas sobre carreira, gastronomia, mudança de vida.

E eu pensei: “Mas essas pessoas estão pedindo dica… pra mim?”.

Não sei vocês, mas nas horas mais críticas da vida a insegurança fala. Grita que o cabelo está ruim, que a foto está torta, que se a gente bater o pé e se impor profissionalmente não vamos encontrar trabalho… Às vezes a insegurança diz que a gente não é bom o suficiente.

Pois a insegurança que se cale: vamos falar sobre isso.

 

Querida pessoa que me escreve pedindo ajuda na hora de mudar de carreira, de hábitos, de estilo de vida, queria te olhar nos olhos e dizer: não é fácil.

 

A mudança é um tranco, um sacode, uma revolução na vida. Mudanças drásticas são sempre, como o nome diz, drásticas: não tem meio termo, não tem medida.


Pense. Cale a insegurança e escute o coração.


Quem me acompanha há mais tempo sabe um pouquinho da minha história profissional: faculdade de Direito, estágios, pós, EMERJ, trabalho… um histórico familiar voltado para a área jurídica, anos de estudo, dúvida sobre advogar ou concursar, mais estudo… mas mais do que tudo isso, eu tive tempo.

Depois de tantos anos de estudo – e dúvidas sobre a minha vocação, algo começou a incomodar. Minhas escolhas começavam a não fazer sentido, mas eu me apegava à necessidade de “TEM QUE ESTUDAR ATÉ PASSAAAAAAR”, sem nem saber se eu queria passar, só sabia que tinha que passar.

Eis a definição de uma vida sem propósito.

Em uma das últimas provas para concurso que fiz, tive uma espécie de crise. Me vi sozinha no meio de uma multidão de concurseiros, entrei em pânico, achei que fosse desmaiar, ao mesmo tempo em que queria fugir. A sensação de não pertencimento ao grupo bateu FORTE. Cheguei no apartamento em São Paulo tremendo, sentei no sofá.


Olhei o céu, cinza.


Chorei. Muito. Chorei porque nada mais fazia sentido, a conta não fechava ali dentro. Vivi o que na minha cabeça era uma espécie de luto de todas as coisas que eu acreditava que deveriam ser certas, mas que simplesmente não eram para mim. Isso é tão difícil, gente.

Eu não me encaixava em mim mesma.

Meses depois, a escolha estava feita. O processo foi doloroso, decidir estudar Gastronomia não foi nenhuma farra do boi ou festa: foi uma escolha consciente, pensada, quando somente ela passou a fazer sentido.

O que mais ouvi: “Mas você largou tudo? Desistiu mesmo?”.

Não larguei, não desisti de nada: eu escolhi outra coisa. Me entendi. Aceitei ser o ponto fora da curva – ou fiz a curva e acertei o ponto… não abracei o “diferente” como parte de quem eu sou, eu me vi diferente e simplesmente aceitei. É isso.

E no meio de tanta aceitação e de tanto tranco, sempre vinha um abençoado pra dar aquela ênfase no negativo. Não sei se vocês entendem, mas pra corações sensíveis, palavras como largou e desistiu têm um peso do caramba.

Você, que tem um amigo que “largou tudo” e foi virar músico, pintor, cozinheiro: admire. Abrace. Pergunte se está tudo bem. Se um garçom “largasse tudo” e resolvesse virar advogado, dificilmente a reação seria a mesma, mas isso é assunto pra outro post… #prapensar

Por isso, fica a dica: se e quando vocês decidirem seguir outro rumo, não se iludam. As perguntas vão ser as mesmas, os comentários vão ser no mesmo tom. Se cerquem de gente que te apoia, que te acha o máximo mesmo tendo voltado a ser, por exemplo, um estagiário sem grana e que – como todo estagiário – só faz besteira.

Trabalhe sua mente pra não deixar ela te sabotar. Sim, o primeiro passo é difícil. Mas o caminho do auto descobrimento é foda!


Insista, persista, invista. ♥


Encare os obstáculos reais: tempo, grana, disposição. Não perca tempo com obstáculos imaginários, como o que as pessoas vão pensar, se você não está muito velho para mudar, ou se você não vai mais ser respeitado… como as pessoas te julgam é problemas delas, gaste sua energia com coisa boa de verdade.

As pessoas pensam sobre a vida dos outros, problematizam por alguns minutos e no fim das contas, viram a página e mudam o tópico. Por isso sim, quando fazemos escolhas não convencionais acabamos sendo assunto pra algumas rodas de conversa. Mas depois passa. Fique bem com isso. Aceite o fato de que o ser humano precisa falar sobre o outro e siga em paz com suas escolhas.

O que os outros pensam é problema deles. O problema passa a ser seu quando você não vive plenamente, não se aceita, não faz as escolhas que seu coração generosamente indica.

Muitas vezes, difícil não é nem o que você acha que não consegue, mas lidar com a frustração do que você não se permite.

Por isso: permita-se.

Sente, respire, medite. Escreva. Escute música. Pense no que te faz feliz – profissional e pessoalmente. Escreva. Busque essa paz, essa felicidade. Agarre a felicidade e não deixe ela ir embora nunca mais.

E depois, se lembrar desse post, me conte como foi o processo. ♥

Você também irá gostar de ler:

13 Comentários

  • Reply
    fabíola de andrade borges
    26/09/2016 at 10:05 am

    tava aqui escrevendo sobre meu periodo de transição de curso/faculdade e quando vi já tava um textão hahaha tô pra voltar a escrever no meu blog e falar mais sobre isso.
    mas é complicado se importar com a opinião alheia, mesmo. quando eu passei o curso que faço agora, cheguei a cogitar não me matricular, não contar pra ninguém e seguir em frente – com medo de não gostar, ter que trocar de curso de novo e “minha família vai ficar puta comigo”. mas não sei o que estaria sendo minha vida hoje se eu não tivesse entrado, porque é um curso ótimo numa faculdade muito mais legal, onde conheci um monte de gente maravilhosa. e não sei ainda o que vou fazer exatamente, depois de me formar, mas sinto como se estivesse pelo menos 90% mais próxima do caminho que quero seguir. foi uma mudança grande trocar história por animação.

    p.s.: ainda quero fazer algum curso de gastronomia na vida <3 será que fica muito ruim pra pessoas vegetarianas? haha

  • Reply
    Elisa Barros
    26/09/2016 at 5:59 pm

    Querida Manu!
    Como me identifico com suas palavras. Eu sou formada em administração, pós graduada, fiz MBA numa das instituições mais conceituadas do pais, falo inglês, espanhol, tinha emprego na empresa da família e ainda dava aula. Mas não era feliz! Era chato, tédio, burocrático, sem criatividade …
    Larguei tudo e mudei de cidade, mudei de vida. Fiz um curso de fotografia, me especializei, estudei muito e hoje uso toda a minha bagagem pra cuidar do MEU negócio! Nunca me imaginei mais feliz! Ganho mais, trabalho mais mas me divirto mais! Lido com gente feliz! É difícil? É, muito! Dá um medinho? Se dá! É gratificante? Com certeza!
    E as milhares de críticas que eu ouvia, inclusive de gente falando que eu estava desperdiçando o meu potencial, eu ignorava e nem me dava ao trabalho de responder. Hoje a minha felicidade e realização é a melhor resposta! Até porque quem sabe da nossa vida somos nós, não é?!?
    Força e foco, que a felicidade está ali te esperando!
    Beijos

  • Reply
    Dan Xis
    27/09/2016 at 4:23 pm

    Ahhhh, querida Manu, lembro de quando nos conhecemos. Gente boníssima, infelizmente os dois tentando concursar, percorrendo caminhos equivocados, né? Tenho orgulho de você! Tamo junto!!!!!

  • Reply
    Raquel
    28/09/2016 at 11:33 am

    Eu tenho 31 anos, sou formada em RH, trabalho com financeiro e e estou cansada da parte adm…quando comecei na faculdade de RH entrei tbm na academia, comecei a conhecer um mundo que me encantei, e me encantei ainda mais quando descobri a corrida, ahhh foi amor, depois de muito pensar, muito pestanejar, comecei 2016 cursando educação física licenciatura, mas por estar insatisfeita e querer logo “meter as caras” no segundo semestre mudei para bacharelado, e não vejo a hora de ser uma estagiária.
    Infelizmente não posso sair do meu atual trabalho, assim de repente, como já fiz antes (por estar insatisfeita) mas já esta tudo programado, para que isso aconteça, no primeiro semestre de 2017.
    Bora ser feliz!

  • Reply
    Mariana Gottardo Lopes
    28/09/2016 at 3:35 pm

    Encontrei seu post nos feed do meu facebook e ele não poderia vir em melhor hora já que ontem tive uma crise de não conseguir saber o que eu quero, onde ouvir os outros parece só atrapalhar e me vi numa vida sem sentido ou perspectiva.
    Acho que consigo buscar inspiração no seu post, em ter coragem e fazer o que você quiser sem se importar com outros e em achar que um dia nos encontraremos e tudo terá sentido.
    Fico feliz que a gastronomia fez isso por você e por você ter tido coragem de ir atrás, agora para mim basta eu achar o que é que me fará feliz haha

  • Reply
    Talita
    05/10/2016 at 11:33 am

    totalmente excelente!!!! Parabéns muito inspirador!!!! Continue assim

  • Reply
    Izabel
    07/10/2016 at 1:08 am

    Texto genial!!! tocante…como tudo que é verdadeiro! Parabéns!! Vamos todas achar nossos caminhos, merecemos isso! bjos.

  • Reply
    Débora
    07/10/2016 at 8:39 pm

    Achei demais o seu post!!

  • Reply
    Angélica Martins
    10/10/2016 at 12:44 am

    Oi Manu,
    Mas eu estava meia engasgada e resolvi lhe escrever para saber se teria como vc me ajudar!
    Eu me percebi n sabendo como lidar com críticas e com elogios. Quando faço alguma coisa para a família, uns vem com criticas e outros com elogios… Sempre fico muito sem graça, quanto para um quanto para o outro.
    Acho que isso pode ser um pouco de insegurança a pesar de saber que está bom q que dei o meu melhor, sei que simplesmente pode não ser o gosto da pessoa.
    Queria saber se você tem alguma dica ou se já passou por isso… eu amo servir as pessoas, amo cozinhar, eu realmente me encontrei na gastronomia, é isso o que eu quero pra minha vidas…. mas percebi q não sei receber críticas, e isso me incomoda muito!! Você já passou por isso? Tem alguma dica ou concelho?
    Bjss

  • Reply
    Itana
    03/11/2016 at 9:15 pm

    Eu te entendo. Te admiro. Passei por essas fases, quase todas. Também tenho 29 anos. Já entrei em crise. Mas eu passei em alguns concursos pra minha paz… E até hoje não tenho ctz de que fiz a escolha certa. Trabalho no mp do meu Estado, e quer saber, sinceramente, não curto nem um pouco. Continuo buscando algo que faça sentido. To entrando na crise dos 30 anos e realmente to vivendo um milhão de mudanças. Parabéns pelo seu blog. Vc n está só. Ainda busco um algo a mais.

  • Reply
    Tathi
    23/11/2016 at 8:46 am

    Bom dia! É incrível como as coisas só vem para nós quando estamos prontos para aquilo … suas palavras parecem que foram escritas na medida exata do que precisava ler! Muito obrigada!!! Nunca tinha lido nada seu, ganhou uma fã! Ótimo dia!!!

  • Reply
    Camila
    01/04/2017 at 7:52 pm

    Manu, q lindo! Q inspirador! Acompanho o bloga há um tempo e vi seu processo de mudança de carreira… amei o texto! Li na melhor hora possível! Obrigada por ter vencido a insegurança e publicado isso! Bjos

    • Reply
      Manu
      30/07/2017 at 11:38 pm

      Camila,
      que bom!!! <3

    Deixe um comentário